Castelos

Castelo de Vilar Maior

História

 

«O castelo de Vilar Maior, poderá ser de origem árabe, mas também se coloca a hipótese de neste local ter existido uma fortificação romana, todavia as primeiras referências a este castelo datam do século XI, na posse do reino de Leão, na sequência da Reconquista Cristã da Península Ibérica.»

castelosdefronteira.com

Concelho: Sabugal
Localização: Vilar Maior
Latitude: 40.47681924196873 
Longitude:-6.940789818763733

O Castelo de Vilar Maior localiza-se na freguesia e povoação de Vilar Maior, concelho do Sabugal, distrito da Guarda, em Portugal. Em posição dominante sobre o vale do rio Cesarão e a povoação, do alto de seus muros é possível avistar-se a Torre da Guarda. O castelo é pela primeira vez referido na segunda metade do século XI, imediatamente após a campanha das Beiras, promovida por Fernando Magno (1139). Segundo essa vertente, a sua construção (ou reconstrução) inscreve-se no quadro de expansão do reino de Leão. Outros, entretanto, atribuem a sua edificação (ou reedificação) a Afonso IX de Leão, tendo a cerca da vila sido erguida desde o final do século XIII, conforme inscrição epigráfica datada de 1280, o que atesta a sua importância regional à época. Integrante do território de Ribacôa, disputado a Leão por D. Dinis (1279-1325), este soberano passou foral à povoação em 17 de Novembro de 1296, quando a terá conquistado. A sua posse definitiva para Portugal, entretanto, só foi assegurada pelo Tratado de Alcanices (1297), a partir de quando o soberano procurou consolidar as fronteiras na região, fazendo reedificar os castelos de Alfaiates, Almeida, Castelo Bom, Castelo Melhor, Castelo Mendo, Castelo Rodrigo, Pinhel, Sabugal e este, de Vilar Maior. Com a paz, a fortificação perdeu importância e começaram a sentir-se dificuldades de povoamento. Visando reverter esse quadro, em meados do século XV, a vila recebeu o privilégio de couto de homiziados (1440), visando atrair moradores. Pelo mesmo motivo, D. Manuel I (1495-1521) concedeu-lhe o Foral Novo (1510). Em ruínas, o castelo foi recentemente classificado como Imóvel de Interesse Público.